Síndrome do Impostor.

Vem cá e pensa comigo: críticas dos professores, comentários familiares destrutivos, os foras que levávamos dos amigos. O que sobra da nossa autoconfiança depois desse massacre?

Algumas pessoas aprendem bem demais essa lição de que são erradas de alguma maneira, de que deveriam ser melhores do que são, de que não são merecedoras. Essas pessoas podem vir a sofrer da Síndrome do Impostor.

Trata-se de uma síndrome psicológica que os especialistas dizem atingir pessoas que obtiveram sucesso na vida. É muito comum em pós-graduandos e em mulheres que ocupam altos postos em seus locais de trabalho.

A síndrome é caracterizada pela crença de que as vitórias alcançadas foram fruto da sorte ou do mero acaso e de que, em algum momento, a pessoa será desmascarada e todos verão que ela era uma farsa desde o início e jamais deveria ter chegado no lugar em que chegou.

Ficamos sempre preocupados antes de uma avaliação antecipando fracasso, nas apresentações que fazemos pedimos cinco mil desculpas por esquecermos algo ou estarmos falando mal, mas é que… hm… é… Estamos muito nervosos. Quando nossos amigos nos elogiam afirmamos que tivemos sorte, se for nosso companheiro a nos elogiar ficamos com vergonha e abaixamos a cabeça, se for o chefe/orientador… Bom, seu chefe/orientador nem vai te elogiar, não é? Você não merece. Não estudou o suficiente, não cumpriu com todas as obrigações do modo que deveria.

Se você fracassar… aí é outra história. Afinal, o seu fracasso já estava há muito anunciado, não é verdade? Espantoso o fato de ter demorado tanto tempo para que você fosse desmascarada!

“Sinto que vou fracassar a todo momento. Se escapei de fracassar algumas vezes foi por mero acaso. Se me dei efetivamente bem em outras ocasiões, tive sorte. Se fracassei, tive o que mereci”.

Para tentar lidar com essa insegurança o medo constante de ser descoberto; a culpa por estar fazendo uma “autopropaganda enganosa”; iludindo as pessoas, fingindo que é inteligente quando, na verdade, você é burro; recorre-se às mais diversas estratégias.

Durante algum tempo é possível nos esforçamos tanto, tanto! Até não aguentarmos mais, para ter uma chance mínima de não passar vergonha em uma avaliação qualquer de nossas capacidades intelectuais. Em outro momento, procrastinamos. Empurramos tudo com a barriga até não dar mais. Pelo menos assim, se fracassarmos, sabemos que não demos o nosso melhor. Autossabotagem: melhor amiga. Melhor forma de nos protegermos de ir atrás do que desejamos já confiantes de que vai dar tudo errado. Uma oportunidade para uma autodepreciaçãozinha leve também não deixamos passar.

Mas em uma coisa temos que nos obrigar a ter confiança: é possível vencer esta síndrome. E quando eu descobrir como eu te conto!

Brincadeira.

Eu estou lutando com a síndrome e vou compartilhando com vocês as minhas experiências!

 

3 comentários em “Síndrome do Impostor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s