Aniversário de dez meses do Blog! 

Quem diria que isso ia aconteer. Sexta feira treze (significativo) e aniversário de dez meses do Blog. Realmente em muitos dos dias que se passaram foi assombroso escrever. Tanto no sentido de filme de terror – o pavor de sentar diante da tela em branco, pior do que dar de cara com Jason Voorhees – quanto no sentido de que eu fiquei muitas vezes positivamente espantada com os textos que escrevi. (Sim. Me permito ter orgulho de alguns dos meus escritos).
Pois é. Estamos muito mais próximos do final da meta de escrever todo dia no Blog do que do começo. Dez meses. Não sei se eu acreditava, no início dessa empreitada, que eu chegaria até aqui. Agora só faltam mais dois meses.
Eu achei que esse projeto esgotaria a minha criatividade, mas, na verdade, aconteceu o contrário. A criatividade é como um músculo: quanto mais você exercita, mais forte fica. (Algum autor famoso já disse isso? Modéstia a parte, achei genial a metáfora).
Já começo a me perguntar sobre o destino do Blog depois do dia 13 de setembro, quando chegaremos ao aniversário de um ano…
E já estou tendo algumas idéias para comemorar essa conquista. Penso em imprimir e encadernar todos os textos. Vai ser o meu “troféu” por cumprir essa meta. Algo para me manter motivada para correr atrás dos meus objetivos e me lembrar sempre que é possível. Fica a dica, hein. A gente costuma se lembrar com muita facilidade dos fracassos, mas não se lembra ou não valoriza os sucessos. Eu vou imprimir esses textos para nunca esquecer ou minimizar essa parte da minha vida. Você se lembra dos seus sucessos? Você os desvaloriza? É difícil mesmo. A gente tende a focar no negativo. Por isso é bom termos algo que nos lembre constantemente daquilo que já conquistamos.
Além disso, penso em continuar escrevendo sim. Talvez não todo dia porque isso dificulta a realização de projetos maiores. Quero começar a trabalhar textos de ficção mais elaborados, sei lá… (Posso falar sobre isso melhor no balanço final do Blog, mas já posso adiantar. Eu fui percebendo que uma das tendência que eu venho seguindo é a de fazer pequenos textos de autoficção. Trata-se de uma escrita que parte das experiências reais do autor, que ganham uma roupagem ficcional na narrativa. Além disso, com frequência eu também escrevi reflexões a respeito de temas que me mobilizam intimamente).
Mas o principal é que eu não quero deixar o hábito de escrever todo dia morrer. Aliás, esse era o propósito original. Eu queria criar precisamente esse hábito de escrever todo dia. E, de quebra, eu fui trabalhando a minha vergonha das pessoas lerem o que eu escrevo. Então, também foi importante esse eprocesso de construir autoconfiança.
Independente do que acontecer, a minha idéia é que o Blog continue sendo esse local experimental de desenvolvimento da minha escrita. Por quê? Porque escrever me faz muito bem. E esse é todo motivo que eu preciso para continuar escrevendo.

Esplêndidas excentricidades. 

Sentar no chão de uma livraria é uma das minhas atividades preferidas.
Sabe o prazer que algumas pessoas têm em experimentar e comprar roupas? Então, sentar no chão da livraria, ler a contracapa, a orelha, a primeira frase do livro… Eu gosto de experimentar e comprar roupas também, mas experimentar e comprar livros é ainda melhor.
Hoje eu tive esse prazer. Na livraria da Cultura no Centro da Cidade. Aquela livraria é tão maravilhosa que eu já levei currículo lá duas vezes. Eu trabalharia lá feliz da vida. Infelizmente nunca me chamaram, enfim…
Eu também devo admitir, e esse é o meu ponto aqui neste texto no fim as contas, que gosto de “ser diferente” das outras pessoas. Entre aspas porque eu acho que todo mundo, no fundo, no fundo, é bem igual. Alguns escondem suas estranhezas melhor do que outros. Só isso. Eu gosto de colocar minhas estranhezas para fora.
Que estranhezas você está escondendo do mundo? Bota para fora! Só assim os outros estranhos vão conseguir achar você.

Mindfulness de um olhar apaixonado. 

Não se trata de um complicado “adeus”, apenas de um “até logo”. E o meu olhar encontrou o seu. Como sempre. Não é novidade isso também. Eu olho nesses olhos um milhão de vezes ao longo do dia e estas pálpebras mais tantas ao longo da noite. Mas ao dizer “bye, bye, baby, vou para o curso e já volto”, se eu demoro um segundo a mais para virar o rosto, eu sinto uma dor aguda. Como uma pressão forte no esterno que ameaça esmagar o coração. Ao mesmo tempo eu sei que meu rosto se ilumina como se brilhasse ao sol. E, no lugar de me encolher, eu estufo o peito e abro os braços para mais um abraço demorado e é como se alguma música tocasse muito alto, música de boate, que faz a gente vibrar junto, mesmo sem querer. E eu respiro fundo para sentir seu cheiro e na minha imaginação eu vejo pequenas partículas de você entrando pelo meus nariz e fazendo cócegas no pulmão. A vontade que tenho é de prender o ar e nuca mais soltar. Eu me sinto como um balão voando no ar, preso à terra por uma linha invisível que me liga a você. E eu só vou morrer quando esse ar dentro de mim acabar. E eu ainda tenho mais outro três sentidos para completar essa experiência de amor intenso. É aí que eu ouço o som da sua voz dizendo “eu te amo. Volta logo”. Eu aperto mais forte e sinto o corpo todo encaixando. Crac, crac, crac. O som de quando algo vai para o seu devido lugar e o barulho quando se acomoda. Tudo que encaixa com barulho solta depois com mais dificuldade, porque entra na pressão em um espaço perfeito. Não desliza nem solta fácil. Desmontar essa peça de nós dois juntos é difícil. Gera a energia do rompimento no núcleo de uma bomba atômica e eu sou jogada para longe, ainda com o gosto do último beijo na boca.

Ele chegou!

Hoje ele chegou. O Tom já está aqui em casa. Ele é lindo e muito fofo.
Nós o pegamos na veterinária. Assim que saímos na rua, ele ficou agitado. Entrando no carro, tentou fugir. Deu um pulo! Eu consegui continuar segurando-o, mas levei um pequeno arranhão. Não dou, só percebi bem depois. Um pouco mais tarde ele me atacou propositalmente. Depois que ele começou a explorar a casa, horas depois, ele gostou de ficar debaixo da minha poltrona. Estou eu sentada, ele debaixo da poltrona, de repente, nha! Tom atacou meu pé. Brincado, é claro. Olhou e pensou: brinquedo! A casa toda parece agora um imenso playground. Bom, voltando…
Chegando na minha casa, ele ficou assustado, queria sair de qualquer jeito. Ficou miando e pulando perto da porta. Se escondeu em todos os lugares da casa que eu nunca varri. Ficou cheio de poeira, coitado. Como o padrinho dele falou, é só amarrar um pano no rabo dele que a casa vai ficar um brinco!
Interessante o fato de que ele encontrou um canto para ficar, onde ele pareceu se sentir seguro, e eu fiquei feliz por ter sido justamente no chão do lado da cama, perto de onde eu durmo. Fiquei imaginando que ele sentiu o meu cheiro e por isso ficou tranquilo nesse lugar. Levei comida e água para ele lá. Ele come muito graciosamente! Quando ele deitou para cochilar eu deitei também. Coloquei uma caixa de papelão com um lençol para ele no chão e deitei na cama.
Quando eu acordei ele acordou também. E quando saí do quarto ele me seguiu. Foi quando que ele começou a explorar a casa. Encontrou cada buraco para se enfiar. E eu fui atrás dele limpando os lugares onde parecia que ele estava gostando de ficar.
Eu já passei a semana cuidando da casa muito mais do que eu normalmente faço, mas aparentemente não foi o suficiente.
Como cuidar de gatos? Tópico das minhas próximas pesquisas!
Uma coisinha fofa, pequena, que precisa de cuidados e é muito amorosa. Tem como não se apaixonar?

A felicidade, calma e tranquilidade está nas coisas mais simples. 

Lista de coisas que gosto de fazer que me deixam feliz e relaxada:

Ler
Dançar
Escrever
Colorir mandalas
Caligrafia artística
Pintar (madeira, vidro, tela, basicamente qualquer tipo de material com qualquer tipo de tinta)
Correr
Cuidar das plantas
Gravar vídeos (que ainda não tenho coragem de postar)
Decorar a casa
Ver séries e filmes repetidos (só os que eu gosto muito)

Aí está. Uma lista de coisas que eu gosto de fazer e que fazem com que eu me sinta bem. Coisas que eu posso fazer por mim mesma sem depender de mais ninguém e que recarregam minha energia.
Você sabe qual é a sua lista? Quais são as coisas às quais recorrer quando você está dominadx por emoções negativas? Nervosx, confusx, ansiosx, triste…
A maioria das pessoas não sabe quais são as coisas que as fazem se sentir bem. Então, quando estão se senindo mal, não sabem nem mesmo como começar a fazerem algo por si mesmas, para sair do buraco. Se você é uma dessas pessoas, dedique um tempo para descobrir o que te faz bem.
Como fazer isso? Preste atenção ao seu dia a dia. Quais são as coisas que te fazem bem? Que te deixam feliz? Pense também no seu passado. Que coisas você fazia, na sua infância e adolescência, que te deixavam feliz?
Vale a pena investir em si mesmo e lembrar sempre que a nossa felicidade é constituída em grande parte pelas mais simples coisas do dia a dia.

Tom, o gato. 

Eu vou ter um gato! Um gato!
Nossa.
Que sensação essa de cuidar de um ser vivo que depende de você…
Acho que eu nunca me preocupei tanto com tomadas, papéis jogados pela casa, poeira, louça etc.
Eu nem peguei o gato ainda, mas já estou antecipando tudo que é tipo de problema e necessidade que ele possa ter. E estou nervosa também, com a responsabilidade. Mas quando é que estamos verdadeiramente preparados para esse tipo de coisa?
Acho que ele chegará em aproximadamente uma semana.
Meu tio o encontrou no quintal da casa da minha avó. Abandonado e maltratado. Dá uma dor no coração só de pensar.
Tom, você não vai mais sofrer desse jeito. Agora você já tem uma casa com gente que te ama!
Eu nuca tive um gato e eu sou muito alérgica. Vamos ver no que essa história vai dar. Mas acho que o amor vai nos fazer bem. Quem não fica bem com um pouco mais de amor na vida?

O que dizem as pessoas inteligentes que sabem ganhar dinheiro? Ou: eu deveria sempre querer ganhar dinheiro?

 

Graças a Deus eu tenho sim fontes de renda. Trabalho bastante. É importante que digamos isso antes de começar. Eu não estou passando fome e tenho casa. Posso até ligar o ar condicionado quando está calor sem grandes preocupações.

Bom, agora vamos ao ponto. Estava refletindo ainda agora, enquanto lavava a louça do almoço que ainda estava na pia sobre o que deveria escrever. “Sobre o quanto odeio lavar louça”, pensei. Ou sobre como é legal fazer mindfulness lavando louça. Esse é um tema que está em alta no momento e às vezes eu realmente medito lavando louça. Ajuda a lidar com a raiva. “Não”… Eu deveria escrever sobre essas imagens na minha cabeça. (Para que você entenda de que imagens estou falando: estava tocando aquela música na qual a mulher fala que amou o cara por mil anos e que vai amar por mais mil. Ele diz em uma parte da música que vai morrer todo dia esperando por ele, ou, pelo menos, é isso que eu entendo. Aí eu comecei a imaginar como seria isso de maneira meio mórbida. Eu vou morrer, meu marido vai morrer, e eu tenho certeza de que no momento de nossa morte eu vou achar que não tivemos tempo suficiente para aproveitarmos a vida juntos. Então, imagina se eu encontrasse uma lâmpada mágica e o gênio me desse a seguinte opção. “Olivia, eu posso te dar mil anos para viver com seu marido”. Meu rosto ia se iluminar de alegria, mas o gênio rapidamente complementaria. “No entanto, você teria que esperar outros mil anos antes que isso pudesse acontecer e durante esses primeiros mil anos, você teria que viver vendo a vida sendo tirada de você todos os dias. Você não seria capaz de aproveitar absolutamente nada. Você viveria apenas para morrer todos os dias enquanto espera para se reencontrar com seu amado”. Eu imagino que a primeira coisa que eu perguntaria era onde o meu amor ficaria durante esse tempo todo. O gênio diria “Dormindo. Em um lugar onde você jamais conseguiria encontra-lo. No fim dos mil anos separados eu te levaria até ele, você poderia despertá-lo com um beijo e aí sim vocês teriam mais mil anos para serem felizes juntos”. Vocês aceitariam? Eu tenho certeza de que eu aceitaria. Seria uma espécie de Mil e Uma Noites às avessas. Eu passaria então os próximos mil anos tentando achar meu amor para acordá-lo logo, porque sou teimosa e estaria em muito sofrimento e com muitas saudades. Será que eu o encontraria? Será que seríamos punidos se eu o acordasse antes do tempo? Será que eu ficaria louca com a espera? Suportaria morrer todo dia? Será que iria doer?).

Eu imagino muitas histórias. Constantemente. E apesar de atualmente conseguir escrever todos os dias, não me sinto capaz de escrevê-las. Em termos de competência mesmo e de perseverança. Talvez um dia eu consiga. Não estou me lamentando. Só avaliando o estado atual das coisas. Não sinta pena. Esse é o primeiro passo para a mudança.

Bom, mas aí eu me perguntei: “Será que a galera que lê o blog ia gostar disso? Aí entram as coisas que as pessoas inteligentes dizem. Todos os cursos e dicas para aqueles que querem ser escritores falam que você tem que encontrar o seu público se quiser fazer sucesso e ganhar dinheiro. Um dos requisitos para isso é escrever com uma temática clara. Assim é que seus leitores te encontram e se tornam fiéis a você.

A questão é que tem sido tão bom para mim apenas escrever e tem tanta coisa ainda que eu quero escrever, coisas que giram em torno dos mais diferentes temas que você pode imaginar, que eu estou começando a achar que eu não quero mais ganhar dinheiro com isso ou ficar conhecida e famosa se, para isso, for necessário sacrificar tantas aspirações. Mas, não se esqueça, como eu disse no início do texto, eu já ganho dinheiro. Trabalho como psicóloga em consultório particular e dou aulas de psicologia. Se eu realmente precisasse viver da escrita seriam outros quinhentos.

Portanto, a ideia não é ganhar dinheiro, mas fazer algo que eu gosto e que me faz feliz para cacete. Esse comentário se refere apenas ao dinheiro e não aos leitores. Ainda tenho esse lado da alma de artista que sofre para colocar algo para fora, mas que gosta quando as pessoas apreciam o trabalho e quer que ele seja visto. Mas se algum dia eu iniciar aqui no blog uma saga de aventura louca ou um conto erótico, não se espante. A ideia é essa mesmo.

Não tente controlar sua ansiedade. 

Você tenta controlar sua ansiedade
E ela escapa.
É como o amor…
Quanto mais forte você tentar prendê-lo,
Mais fora de controle ele se encontra.
A ansiedade se agrava com suas tentativas de controlá-la.
Não é para não fazer nada.
Trabalhe seu corpo e sua mente sempre.
Eu fui no ortopedista há uns tempo atrás.
Dor nos ombros e nas costas.
Ele não passou remédio,
Passou exercício físico:
Está doendo porque não está sendo exercitado adequadamente.
A ansiedade é a dor do seu cérebro quando você não está trabalhando certas crenças e regras de comportamento e pensamento que você tem.
Trabalhe sua mente e cuide do seu corpo. A ansiedade vai ceder.

Ler no metrô.

Impressionante como eu consigo me concentrar quando estou lendo no metro.
Eu tenho percebido que eu tenho, sempre que possível, pego o metrô intencionalmente e animada porque vou conseguir ler na viagem. Não é só por ler, sabe? Eu amo ler. E eu tenho percebido que ler NO METRÔ é bem legal para mim.
Eu leio em outros lugares também, mas ler no metro tem um apelo específico.
Uma grande amiga já havia me falado uma vez que gosta de escrever no metrô e eu lembro de ter achado intrigante. Do estou trazer alguma coisa, um ambiente, que propicia a escrita dela.
Então, outro dia, quando eu finalizei um livro dentro do metrô e fiquei sem nada para fazer no meio da viagem, que eu percebi o quanto aprecio a atividade específica de ler nesse transporte.
Desde que percebi isso, eu separei o “livro do metrô”. Seleciono um livro e o leio apenas quando estou no metrô. Fico me perguntando se um dia eu sair para andar de metrô só para ler, sem estar indo para lugar nenhum, só passeando de um lado para o outro e lendo, seria bom do mesmo jeito. Se eu descobri um novo hobbie ou apenas uma boa maneira de suportar o metrô lotado.
Vou fazer essa experiência qualquer dia desses.

Uma exceção: todas as regras e hábitos de leitura estão suspensas em períodos de entrega de artigo ou preparação de aula. Porque nesses momentos eu leio as referências bibliográficas até tomando banho.