Se eu soubesse pintar não teria escrito este texto.

Esse já é o quarto texto que eu começo a escrever hoje e nenhum dos anteriores me deixou satisfeita.

Cheguei em casa com uma forte vontade de pintar. Coloquei uma música no computador, peguei o meu material de pintura e pintei.

O problema é que eu pinto muito mal e fiquei muito frustrada. Desde que comecei a escrever, minha veia artística vem pressionando para desabrochar, mas eu não sei fazer nada além de escrever mesmo. O que eu queria era ter postado a minha pintura hoje. Mas eu não vou tirar foto desse negócio aqui para postar. Está feio demais. Eu não consegui pintar o que eu queria. Isso é muito desapontante. Quando se trata de um texto, eu vou escolher as palavras, o formato do texto, a pontuação e vou passar a minha voz para a narrativa (ou, pelo menos, eu consigo trabalhar com esse material e ver um resultado que, de alguma forma, me carrega junto). Com as tintas e o papel e os pincéis eu simplesmente não sei lidar. Ainda. Quem sabe no futuro…

Uma saída meio doida que me ocorreu é descrever a pintura que eu gostaria de ter pintado. Vamos a ela, por mais psicodélico que isso possa ser:

 

<<<Uma linha marrom nasce na ponta inferior esquerda de uma tela, fina e débil. Ela se sente insegura e chora a todo momento. Tem muito colo disponível. Ela se refestela. Conforme Marron avança em direção ao centro do quadro, ela se adensa e se torna cada vez mais amarela. Amarela de medo, amarela de dor de barriga, amarela por causa do brilho do sol, amarela por causa das flores que tem no cabelo. No ponto em que o marrom já não comparece e Amarelo domina a cena em um traçado grosso, mas leve e suave, diversos outros veios coloridos começam a despontar, desviando-se do caminho principal. Os frágeis tracinhos coloridos tomam o espaço branco ao redor, alguns mais grossos, mas ainda finos, outros tão, tão finos que quase não se vê. De repente, um dos finos capilares, do qual era difícil divisar a origem, ganha corpo e desponta bem marcado galgando o canto superior direito da tela. Ele é cheio de energia e paixão. Não recebe ordens e não leva desaforo para casa. Ignora tudo e todos ao redor e vai somente pela própria cabeça. Está vermelho de ódio e vermelho de dor, amor e tudo o mais que rima e termina em or, como calor, estupor, fedor, horror, vigor e por aí vai. Desse canal de tinta vermelho e sanguíneo, ainda correm alguns traçados laterais de cores vivas. Todas as cores se cruzam e bagunçam o meio da pintura que, no mais, poderia ter sido uma dança moderna no lugar de uma narrativa sem sentido. Não é possível seguir um só traço até o seu derradeiro fim.

Acompanhamos a Vermelha até o momento em que todas as cores do mundo, representadas, na minha pintura, por todas as tintas que eu possuo, desabrocham dando um último suspiro angustiado de sua ponta que, após encontrar a tal borda superior direita da tela, se volta para a diagonal oposta e começa um caminho descendente.

Contudo, sem que ninguém tivesse se dado conta, a despeito de todos os intensos protestos da pintora e se expressando quase que por meio de um sussurro, do meio das cores vivas que despontavam como raios da mancha vermelha se insinuava um fio marrom que se avoluma horrendamente conforme o traçado retorna a sua origem.

Marron segue fingindo segurança de si, firme, numa jornada de ponta cabeça em queda livre pelo meio da tela. Ele acha que volta para onde veio, mas ninguém sabe onde ele vai parar, mas ele finge saber e acreditar que está indo para onde decide ir. Todos os brilhantes fiozinhos de tinta coloridos que dominavam o restante do quadro foram arrancados por Marrom pela raiz. Alguns cotocos permanecem para contar a história do que Marrom poderia ter sido, mas Marrom tem muito medo de ser qualquer outra coisa além daquilo que se acostumou a ser por mero acaso. Se fosse outro o quadro, talvez Marrom ainda pudesse ter se tornado Verde, Rosa, Preto ou Laranja, mas neste quadro Marrom vai morrer Marrom.>>>

 

Talvez eu intitulasse o quadro de O CAMINHO.

Um comentário em “Se eu soubesse pintar não teria escrito este texto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s