“Eu espio com os meus olhos”. Parte III.

Muito interessante o fato da redação do ENEM ter pedido que os alunos falassem sobre os desafios da educação dos surdos no Brasil justamente quando eu resolvi começar a versar sobre os desafios da educação dos deficientes visuais. Parece que combinamos.

Estas são questões que estão na vigésima ordem do dia, nas quais ninguém presta atenção. Tenho até que agradecer pelo tema da redação do ENEM, pois ela me ajudou a clarear o meu propósito com este relato autobiográfico, que é fazer com que vocês conheçam pelo menos um pouquinho mais desse universo dos desafios da educação de deficientes físicos no Brasil.

Dando prosseguimento ao relato…

 

Depois da quinta série, eu virei uma aluna rebelde.

Muito complicado acompanhar as aulas do jeito que as coisas andavam. Vivi mais do mesmo por muitos anos.

No ensino médio, um professor substituo entrou em sala, mandou todo mundo calar a boca e escreveu algumas questões no quadro. Depois que ele terminou de escrever no quadro ele olhou bem para a minha cara e perguntou: “Você não vai copiar não”? Eu disse: “Não”. Rebelde, claro. Podia ter começado logo a me desculpar e a explicar em voz alta, na frente da turma inteira, o meu problema de visão pela milésima vez. Mas não. Fiquei calada e fui expulsa de sala. Foi um escândalo depois. Porque o professor ficou sabendo que eu era deficiente e tal. Passou a me tratar como um bibelô (ele foi efetivado pouco tempo depois).

O fato é que eu desisti. Mesmo. No início do ano sempre achava que tudo seria diferente, me esforçava. Logo eu perdia o fio da meada e só ia me esforçar de novo lá no final do ano para não acabar sendo reprovada.

Eu nunca fui reprovada. Esse foi um fato que sempre me chamou a atenção. Não sei até hoje se era o conselho de classe que acabava optando por me dar os pontinhos necessários na prova final para que eu passasse de ano. Por outro lado, eu realmente usava todas as minhas forças para correr atrás no fim do ano.

Certa vez, um rapaz que não gostava de mim, porque estava a fim de pegar uma amiga minha, me prometeu aulas de física. No dia em que eu fui à casa dele ter a tal aula, ele não atendia o portão de jeito nenhum. Eu toquei e toquei a campainha, gritei e gritei o nome dele e nada. Daí eu liguei para um amigo dele que era a fim de me pegar e pedi para ele ir me encontrar na casa desse garoto que me daria aulas. Quando o menino que gostava de mim chegou, eu pedi que ele chamasse pelo sujeito que me daria aulas e, adivinha só! O sujeito apareceu (eu havia ficado o tempo todo na frente da casa do cara. Sem chance de ele ter chegado enquanto eu esperava meu admirador para me socorrer). Eu engoli qualquer orgulho que eu pudesse ter, se é que um dia me foi possível desenvolver orgulho no que diz respeito a pedir esse tipo de ajuda, mesmo com o cara obviamente não estando com vontade de cumprir o que havíamos combinado, e fiquei lá umas cinco horas estudando na casa do dito-cujo.

Falo desse tipo de determinação. Eu pedia a quem quer que fosse que me ensinasse a matéria no fim do ano. Ali, no ambiente questionável da casa de um garoto que não gostava de mim, mas que, surpreendentemente, era mais propício para a minha aprendizagem do que a escola.

Devo reconhecer o mérito de alguns professores, contudo.

O professor Hermes, que meu deu aulas no GPI da Rua Ibituruna, na Tijuca é um deles.

Hermes sempre fazia desenhos lindos de células no quadro que eu dava uma olhadinha de perto quando a aula acabava. Os desenhos eram tão caprichados que até me deixavam curiosa e eu prestava mais atenção nas aulas. Certo dia, Hermes parou para conversar comigo, ainda no início do ano, para entender a minha situação. A partir deste dia, ele passou a trazer de casa, desenhado em uma folha de papel, o que ele ia desenhar no quadro. Então eu já tinha o “caderno”, com os comentários e legendas do professor durante a explicação. Foi perfeito. Lembro até hoje do fato de que as mitocôndrias são responsáveis pela respiração celular. Pude aprender biologia até este professor ter sido transferido da nossa unidade.

Outra professora que merece destaque, era a professora Ângela de química. Também do mesmo GPI.

Ao saber do meu problema de visão ela fez um interrogatório comigo perguntando como havia sido a minha carreira escolar e eu contei a ela tudo que contei a vocês nos últimos textos. Sabe onde ela encontrou esperança? Na técnica de colocar a minha carteira mais próxima do quadro. Mas ela deu uma reeditada legal nesta técnica. No lugar de colocar só a minha carteira para frente, ela puxou toda a primeira fileira junto comigo. Juro para vocês que alguns alunos nem notaram que estavam se sentando mais próximos do quadro. Além disso, tinha o problema do meu deslocamento que ela resolveu escrevendo apenas na parte do quadro que ficava imediatamente na minha frente. Ela escrevia, explicava, apagava, explicava de novo. Teve ainda uma outra novidade. Ela levou giz de todas as cores e fez testes comigo para ver se havia alguma cor que me ajudava a ver melhor. E tinha. A professora Ângela passou o ano inteiro escrevendo a matéria com giz rosa na parte do quadro que ficava imediatamente diante da minha carteira e eu copiei do quadro o ano inteiro.

Isso encerra os highlights da minha vida escolar, até o segundo ano do ensino médio, no que diz respeito ao relacionamento com os professores e com o conteúdo das matérias. No próximo texto, quero finalmente tentar falar sobre os aspectos sociais que ocorriam em paralelo ao longo desse tempo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s