Só mais um desabafo, que eu queria chamar de “Aos queridos professores”, mas me falta coragem, pois eu ainda tenho medo deles. 

Para todos os jovens brilhantes que não tiveram dinheiro par apermanecer na faculdade, aos jovens que se matarem no meio do caminho, aos que foram humilhados em salas de aula pelo mundo inteiro, para todos os alunos que já tiraram zero em alguma avaliação ou que repetiram mesmo sabendo a matéria. Para todos vocês, saibam que não estão sozinhos.
Para todos os professores em quem a carapuça não servir, meu sincero reconhecimento, a vocês eu agradeço pelo trabalho bem feito. No entanto, antes de se escusar da acusação, certifique-se de pensar duas vezes na sua atuação profissional. Eu, certamente, me debato com essas questões quase todos os dias.

O avanço da ciência. Feito de corpos sobrepostos, de sonhos de estudantes destroçados. Os sonhos e os estudantes. E seus corpos também. Seus corpos que se jogam da UERJ, que são assassinados no Fundão, seus corpos que passam fome e frio no alojamento, que sentem saudades de casa e raiva e medo dos orientadores. Um aplauso acadêmico e respeitoso aos metres, pois eles sabem mais do que nós! Parabéns! Pelas lágrimas dos estudantes. Isso vai cair na prova? Eu não sei fazê-los chorar como vocês fazem. Vai ter consulta? Eu posso te ver humilhá-los mais uma vez antes de eu mesma tentar? Mas não. Eu não vou tentar. Não faria isso nem em um milhão de anos. Você já se disse isso alguma vez? Você tinha um coração antes de receber o primeiro salário? Você entraria para o uma organização que você sabe que assassina jovens sonhadores se não como um infiltrado para tentar fazer diferente e vencer o inimigo por dentro? Uma vez lá dentro, eles te pegaram, não foi? E arrancaram esse coração? Foi isso, não foi? É como aquela música fala: todo mundo já foi criança um dia. Até você, professor. Nem eu sei mais se acredito nessas palavras, sabe? Eu acho que você nunca teve coração. Fofo. Fraco. Fraqueza. Estou eu aqui falando em coração quando devíamos discutir os cérebros. Já viu um professor universitário demonstrar fraqueza? É por causa do cérebro dele. Tem que se provar sempre o melhor. Esse é o segredo mais profundo. Eles não são os donos do conhecimento, mas precisam fingir ser. Se não o mundo deles cai. Eles precisam dessa miserável satisfação de fazer ao aluno uma pergunta irônica e de corrigir a resposta: “Aha! EEEEEEEEEEERRRRRAAAAADDDDOOOOO!!!!!!!!!” Da para ver a sua felicidade no canto dos olhos, você saliva e a baba escorre pelo queixo, todos os dentes da boca aparecem, você estufa as narinas exibindo os pelos nasais mal aparados e esfrega as mãos manchadas de vermelho. Essa ciencia eu não quero aprender e a ciência que me importa não foi você quem me ensinou. Você me coagiu a não colar nas provas e a assistir suas aulas. Você me fez abaixar a cabeça com as correções das minhas perguntas “descabidas” e me fez acreditar que eu era burra com suas notas e avaliações. Mas eu pude ver por detrás das suas boas intenções. Das suas humilhações que eram todas para o meu bem. Sabe qual é o nome disso? Abuso moral. Abuso moral não forma ninguém. Todo esse conhecimento, essa riqueza, aí dentro da sua cabeça, mas, por algum motivo, tão difícil de acessar… Eu devo ser muito incompetente mesmo, não é verdade? Você tão bem intencionado. E eu aqui querendo te sacanear. O mau, mal, aluno. Quase sinto pena de você pelas minhas noites mal dormidas, pela minha bolsa de 300 reais, pelo meu ticket refeição e vale transporte inexistentes, pelas humilhações que eu passei, mas espera…. Quem sofre é você ou sou eu? Estou confusa agora. Eu achei que eu é que levava a vida boa… E que você, com seu salário, seu carro, sua casa na Zona Sul, suas duas disciplinas por semestres, seus pós doutorados de seis meses fora do país e suas viagens para congressos internacionais é que estava sofrendo… Mas isso não mais me parece certo. Parece que tem alguma coisa errada nesse coitadismo seu, professor. E você tem a cara de pau de dizer que eu me faço de coitada. Sério? Não liga para dinheiro quen vive de ar e eu não posso me dar a esse luxo ainda. Não se importa com a hora de ir embora da faculdade quem vai de táxi ou de carro para casa. Não se importa com a quantidade de horas de trabalho que, na verdade, trabalha pouco ou quem ganha para isso.
Com todo respeito, mestre, o meu caminho fui eu que fiz APESAR de todas as vezes que você tentou me derrubar. Eu sou inteligente para caralho e não foi por uma palavra que você falou que ficou na minha cabeça, nem por uma questão de prova que você zerou, que eu me senti motivada a estudar. Eu tive tempo de estudar depois de colar e passar na sua prova inútil da sua matéria inútil. E é você quem tem que viver com a infelicidade de saber que a sua matéria inútil, na qual você dá a sua aula inútil e a sua prova inútil, são os pontos altos do respeito e da felicidade que você acha que tem em sua vida inútil.

Um comentário em “Só mais um desabafo, que eu queria chamar de “Aos queridos professores”, mas me falta coragem, pois eu ainda tenho medo deles. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s