Taedium Vitae

É possível que uma pessoa venha a cometer suicídio por puro desprezo à vida?

A alternativa seria: uma pessoa, na impossibilidade de mudar o mundo ao seu redor ou a si mesma na tentativa de se ajustar a ele, comete suicídio.

A expressão taedium vitae e a maneira como ela foi compreendida pelos teóricos que estudaram o suicídio, sugere a primeira opção.

Esse conceito é usado para caracterizar um estado de profundo tédio, mórbido e ansioso, em relação à vida. O suicídio por taedium vitae já foi apelidado de “saída racional”. Ele ocorreria no seio da “elite intelectual” em períodos de crises e transições, ou seja, momentos de instabilidade social, moral e/ou científica.

Uma pessoa sensível, refletindo sobre a vida e a condição de sua existência, poderia chegar á conclusão de que a vida não vale a pena ser vivida e resolver, racionalmente, tirar a própria vida.

Parece simples, talvez, expondo a situação desta maneira, mas, na verdade, é algo extremamente difícil de se considerar como verdadeiro.

Uma pessoa que simplesmente, pesando os prós e os contras da existência, decide que a condição humana é indigna e insatisfatória, resolve, portanto, colocar um ponto final em todas as coisas.

Será que isso existe?

Até hoje eu acredito que a resposta seja não.

Todas as pessoas que se matam, recorrem à essa “saída” radical por estarem extremamente insatisfeitas com algum ou alguns pontos de sua vida e acreditarem que a mudança é impossível.

O suicídio nunca se torna uma opção quando não existe um nó na vida de uma pessoa.

Quando estudamos o tema do suicídio ou atendemos pacientes com tendências suicidas aprendemos que falar sobre o assunto e quebrar o tabu de falar sobre a morte e as tendências autodestrutivas são necessidades urgentes.

Infelizmente não temos mais cinco anos de idade e não podemos mais acreditar que o fato de não falarmos sobre as coisas ou fechar os nossos olhos para elas faz com que elas desapareçam.

É errado imaginar que falar sobre o suicídio é um dos fatores que levam as pessoas a se matarem, o oposto é mais verdadeiro: não falar sobre suicídio faz com que mais e mais pessoas fiquem sozinhas com suas dores e fora da possibilidade de receber ajuda ou intervenção de amigos e familiares.

Para resumir: MITOS SOBRE O SUICÍDIO

1-      Perguntar para uma pessoa se ela já pensou em se matar pode fazer com que ela passe a considerar o suicídio como uma opção. (Não! Se uma pessoa não pensa em se matar e você pergunta para ela: “Você já pensou em se matar?”; ela responde: “Deus me livre! Eu não!”. Você jamais vai ouvir dessa pessoa: “Nossa, boa ideia! Sabe que eu não tinha pensado nisso?”. Perguntar para uma pessoa se ela está pensando em se matar pode, na verdade, salvar a vida dela).

2-      Quem quer se matar não avisa, vai lá e faz. (Que bom que tem gente que avisa! Isso é sempre um pedido de ajuda. É a brecha para que haja intervenção adequada. Se esta pessoa não for cuidada mesmo depois deste pedido de ajudar ela corre sim um sério risco de se matar).

3-      Uma pessoa que avisa que vai se matar está tentando manipular os outros ao seu redor. (Se o anúncio ou a tentativa de suicídio estiver servindo como forma de manipulação das pessoas ao redor, isso apenas significa que aquela pessoa que está tendo um comportamento de risco para suicídio está precisando tanto de ajuda, mas ela não possui meios mais eficientes do que os que está empregando para obtê-la. Ela não está fazendo isso porque é má, mas porque está em tanto sofrimento psicológico que já não vê outra solução para os seus problemas).

4-      Quem se automutila quer morre. (Também não é verdade. A automutilação tem para muitas pessoas a função de aliviar o sofrimento psíquico e não necessariamente estas pessoas pensam em se matar).

5-      Falar sobre suicídio, principalmente nos grandes meios de comunicação, leva as pessoas a se matarem. (Já disse: quem não está pensando em se matar, não vai ser convencido a se matar por ninguém na face dessa Terra. Se a pessoa já tem uma vulnerabilidade nesse sentido, ela pode acabar vendo sim um gatilho em assuntos relacionados ao suicídio. O ponto é, um milhão de outras coisas também funcionarão como gatilho para essas pessoas).

 

Acredito que este último ponto requeira uma pequena reflexão especial por conta dos escândalos recentes do jogo Baleia Azul e da série 13 Reasons Why.

O escândalo girou em torno do Efeito Werther.

Alguns pesquisadores afirmam que o livro Os Sofrimentos do Jovem Werther gerou uma onda de suicídios por imitação – suicídios copiados. Os relatos de época a respeito dos suicídios “causados” pela obra de Goethe, afirmam que os jovens que se matavam estavam com o livro próximo de si quando eram encontrados, ou vestindo as roupas do personagem principal do livro (alerta de spoiler: não é verdade que esses jovens se matavam do mesmo modo que o livro narra. No livro, personagem dá um tiro na cabeça. Não é tão fácil assim para um adolescente deprimido comum arranjar uma arma).

Contudo, não é assim tão unânime a conclusão de que o Efeito Werther existe e é tão devastador quanto se alardeia por aí. Muitos pesquisadores ainda duvidam de sua existência, afirmando que a coleta de dados tem sido seletiva e enganosa.

No meu consultório, chegaram duas pessoas por causa da série. As duas resolveram procurar ajuda psicológica pois estavam pensando em se matar e viram na série um sinal de alerta; uma delas “não queria acabar como aquela menina naquela banheira”.

Alguns sites afirmam que o número de ligações diárias para o Centro de Valorização da Vida (CVV) teve um aumento de quase 500% no auge da divulgação da série.

Afirmar que os suicídios que ocorreram naquela época ocorreram por causa de uma série ou um jogo é banalizar e invisibilizar grosseiramente o sofrimento das pessoas que cometeram suicídio.

Porque com o suicídio é sempre assim: está tudo bem até essa coisa absurda e inexplicável acontecer, aí todo mundo tenta encontrar um bode expiatório, sem ter coragem de encarar da dura realidade do sofrimento alheio e o fato de que todos ao redor foram incapazes de perceber ou de fazer algo a respeito.

Isso não quer dizer que os que sobrevivem devem viver martirizados pela culpa, significa apenas que a morte aponta friamente para os nossos limites, a fragilidade e a brevidade da nossa vida. E isso é difícil demais de encarar. É mais fácil tirar a profundidade do sofrimento do outro e dizer que, se não fosse aquela série ou aquele jogo, isso não teria acontecido.

Um comentário em “Taedium Vitae

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s